Conheça as 17 cidades mais violentas do Brasil


Ana Laura Cruz
Ana Laura Cruz
Mestre em Gestão e Estudos da Cultura

O Brasil, de um modo geral, se destaca mundialmente por apresentar um grande índice de violência. O que não é motivo de orgulho para ninguém, mas é uma realidade causada pela grande desigualdade presente no país.

Todos os anos, a organização de sociedade civil Segurança, Justiça e Paz com sede no México organiza o ranking das cidades mais violentas do mundo. A listagem é definida a partir das taxas de homicídio por cada 100 mil habitantes de cada cidade.

O mais recente, divulgado em 2018, apontou 17 cidades brasileiras na lista das 50 cidades mais violentas do mundo. São elas:

17. Vitória - ES

População: 1.960.213

Homicídios: 707

Taxa de homicídios por cada 100 mil habitantes: 36,07

Mesmo sendo considerada a 5ª Melhor Cidade para se Viver no Brasil pela Organização das Nações Unidas (ONU), Vitória não escapa à violência presente no país. A cidade conta com a Guarda Civil Municipal de Vitória composta por 200 oficiais, no ano de 2015, que atuam na patrulha da cidade. Há planos de que o efetivo aumente para 500 agentes comunitários de segurança.

16. Teresina - PI

População: 850.198

Homicídios: 315

Taxa de homicídios por cada 100 mil habitantes: 37,05

A Cidade Verde, como é chamada devido à grande quantidade de árvores presentes nas ruas, é a única capital do Nordeste que não está situada no litoral. É ainda a capital mais desenvolvida do Nordeste de acordo com o Índice FIRJAN de Desenvolvimento Municipal. Mas também sofre com a violência urbana.

15. Campina Grande - PB

População: 410.332

Homicídios: 153

Taxa de homicídios por cada 100 mil habitantes: 37,29

Um dos mais importantes pólos universitários do Brasil, Campina Grande foi considerada pela revista Newsweek o principal núcleo tecnológico da América Latina. Também recebe grandes eventos de música, religiosos e populares, como as festas de São João, que duram o mês de junho inteiro e é tido como “o Maior São João do Mundo”.

14. Campos de Goytacazes - RJ

População: 490.288

Homicídios: 184

Taxa de homicídios por cada 100 mil habitantes: 37,53

Por mais incrível que possa parecer, esta é a única cidade do Rio de Janeiro a entrar para o ranking. Apesar da capital do Estado viver uma crise de segurança pública e ter uma quantidade de homicídios significativamente maior do que Campos de Goytacazes, a taxa de homicídios por cada 100 mil habitantes é mais baixa devido ao tamanho da população.

frase muro

13. Macapá - AP

População: 474.706

Homicídios: 191

Taxa de homicídios por cada 100 mil habitantes: 40,24

A única capital do país a ser cortada pela linha do Equador. Macapá é a metrópole mais ao norte do país e a sua zona metropolitana abriga cerca de 60% da população do Estado do Amapá.

12. Porto Alegre - RS

População: 4.268.083

Homicídios: 1.748

Taxa de homicídios por cada 100 mil habitantes: 40,96

A capital do Rio Grande do Sul viu nos últimos anos o seu índice de violência aumentar bastante. Uma pesquisa realizada pelo Instituto Cidade Segura concluiu que 82,5% da população da cidade a considera insegura, além disso 77% dos entrevistados evita sair à noite por medo de assaltos.

11. Manaus - AM

População: 2.130.264

Homicídios: 1.024

Taxa de homicídios por cada 100 mil habitantes: 48,07

Manaus é a capital do maior Estado do Brasil e possui uma taxa de crescimento urbano superior ao do resto do país. Crescimento este que ocorre de forma desordenada. Apesar disto, a cidade já esteve em situação pior neste mesmo ranking no passado. Em 2011, Manaus esteve indicada como a 5ª cidade mais violenta do Brasil, enquanto em 2018 ocupa a 11ª posição.

10. João Pessoa - PB

População: 1.126.613

Homicídios: 554

Taxa de homicídios por cada 100 mil habitantes: 49,17

João Pessoa foi fundada em 1585, sendo uma das cidades mais antigas do país. Também é onde está localizada a Ponta do Seixas, o local mais a oeste das Américas. Apesar da cidade litorânea estar em 10º lugar no ranking, os índices de homicídio vêm diminuindo nos últimos anos.

9. Salvador - BA

População: 4.015.205

Homicídios: 2.071

Taxa de homicídios por cada 100 mil habitantes: 51,58

A bela e turística Salvador é a capital mais rica do Nordeste, mas também é uma das cidades onde o contraste social é mais evidente. Existem bairros com o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) superior ao de países da Europa, enquanto outros são muito inferiores ao de países pobres da África.

8. Recife - PE

População: 3.965.699

Homicídios: 2.180

Taxa de homicídios por cada 100 mil habitantes: 54,96

Uma das cidades mais populosas do Brasil, Recife é ainda a sede do aglomerado urbano com maior Produto Interno Bruto (PIB) da Região Nordeste. Durante a primeira metade da década de 2010, a capital vinha apresentando uma diminuição na quantidade de homicídios, porém desde 2014 essa taxa voltou a subir.

7. Feira de Santana - BA

População: 627.477

Homicídios: 369

Taxa de homicídios por cada 100 mil habitantes: 58,81

Feira de Santana foi a primeira cidade da América Latina a ter implementado um projeto de planejamento urbano e é um dos principais centros industriais e comerciais do país. Não haviam muitos homicídios na cidade até os anos 2000, porém nos últimos tempos a criminalidade tem aumentado bastante na localidade.

6. Aracaju - SE

População: 951.073

Homicídios: 560

Taxa de homicídios por cada 100 mil habitantes: 58,88

Tida como uma das capitais com o menor custo de vida do país e a capital do Nordeste com a menor desigualdade social, Aracaju viu a violência crescer tremendamente desde 2016. O número de homicídios teve um aumento de 60%, segundo o Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

5. Maceió - AL

População: 1.029.387

Homicídios: 658

Taxa de homicídios por cada 100 mil habitantes: 63,94

A capital alagoana possui uma taxa de urbanização de 99,75% e a região metropolitana da cidade abarca outros 10 municípios. Assim como outras capitais nordestinas, Maceió recebe grandes eventos e é um pólo turístico. Porém, também é apontada pelo Índice de Homicídios na Adolescência como a capital com a maior média de assassinatos de adolescentes do país..

faixa violencia
Foto: Agência BR

4. Vitória da Conquista - BA

População: 348.718

Homicídios: 245

Taxa de homicídios por cada 100 mil habitantes: 70,26

Desde a década de 1990, Vitória da Conquista deu um salto no desenvolvimento da cidade, tendo avançado bastante nas áreas da indústria, comércio e turismo. Infelizmente, este crescimento também ocorreu na violência e o número de homicídios na cidade tem aumentado ano após ano.

3. Belém - PA

População: 2.441.761

Homicídios: 1.743

Taxa de homicídios por cada 100 mil habitantes: 71,38

A segunda maior cidade do Norte do Brasil, conhecida como a Cidade das Mangueiras, é também a mais violenta da região. Um caso marcante ocorreu em 2018 quando uma onda de violência na região metropolitana da cidade resultou no assassinato de 46 pessoas em apenas 4 dias.

2. Fortaleza - CE

População: 3.917.279

Homicídios: 3.270

Taxa de homicídios por cada 100 mil habitantes: 83,48

Fortaleza é o segundo destino turístico mais desejado do Brasil, atrás apenas do Rio de Janeiro. Infelizmente também é o principal destino dos interessados em turismo sexual no país. A cidade não fazia parte da lista das mais violentas, porém desde que ocorreu o famoso assalto ao Banco Central de Fortaleza em 2005, a capital viu o crime organizado crescer exponencialmente e o número de homicídios também.

1. Natal - RN

População: 1.343.573

Homicídios: 1.378

Taxa de homicídios por cada 100 mil habitantes: 102,56

Considerando a sua área territorial, Natal é uma das menores capitais do país. No entanto, figura entre as mais populosas e é a que apresenta o maior índice de homicídios por cada 100 mil habitantes no Brasil. Este índice cresceu de forma vertiginosa nos últimos anos, chegando a subir 256,9% entre os anos de 2006 e 2016. As principais causas apontadas são a forte disputa pelo controle do tráfico de drogas local e o insuficiente investimento na segurança pública por parte do Estado.

Ana Laura Cruz
Ana Laura Cruz
Mestre em Gestão e Estudos da Cultura, especializada em Comunicação Audiovisual desde 2009. Produz textos e eventos culturais. Viaja no mundo e na maionese, sempre que possível de carona.