Os maiores estelionatários de todos os tempos (e seus golpes mais ousados)


Algumas pessoas ganham dinheiro com trabalho honesto e integridade, mas outras… outras preferem tomar caminhos mais criativos. Estelionato é o crime de enganar, burlar ou defraudar outra pessoa. Basicamente, é roubar as pessoas sem que elas se apercebam. Os estelionatários dessa lista foram muito ousados, criativos, malandros e causaram problemas a muita gente…

1. Jeanne de Valois-Saint-Remy (1756-1791)

Jeanne de Valois-Saint-Remy

Um colar de diamantes extremamente caro, um cardeal que queria muito impressionar a rainha e uma vigarista sem escrúpulos… Essa foi a combinação perfeita para um dos golpes com maior impacto na História.

Jeanne de Valois-Saint-Remy era uma francesa que queria muito ser rica, mas seu marido não ganhava muito dinheiro. Um dia, ela ouviu sobre um colar de diamantes cujo fabricante queria vender rápido, depois que a encomenda foi anulada. Mas os únicos que tinham dinheiro suficiente para comprar eram o rei e a rainha de França, Luís XVI e Maria Antonieta! Eles se recusaram a comprar o colar, mas o caso deu uma ideia à Jeanne…

A vigarista era amante de um cardeal que precisava ganhar a confiança da rainha. Usando cartas forjadas por outro amante seu, Jeanne convenceu o cardeal que a rainha queria um empréstimo para comprar o colar em segredo. Ela até montou um encontro com a “rainha” (uma prostituta parecida com Maria Antonieta) e o cardeal comprou o colar. Mas, quando o colar estava em suas mãos, Jeanne tratou de vender logo os diamantes.

Jeanne e seus cúmplices foram apanhados e julgados em público, porque o rei e a rainha queriam provar que não tiveram parte no negócio. Mas o contrário aconteceu! Jeanne caiu na graça do povo e convenceu a todos que era tudo culpa de Maria Antonieta. Esse acontecimento piorou a reputação já frágil da rainha e, alguns anos depois, a coitada perdeu a cabeça na Revolução Francesa.

Descubra aqui: 17 mulheres importantes que marcaram a História.

2. Charles Ponzi (1882-1949)

Charles Ponzi

Charles Ponzi se tornou tão notório que deram seu nome a um tipo de fraude. Um esquema Ponzi é um falso negócio, em que o golpista promete bons retornos aos seus investidores. Na verdade, o golpista fica com o dinheiro e depois paga os retornos aos primeiros investidores com o dinheiro de novos investidores. O esquema continua assim e só desaba quando não há mais novos investidores.

Imigrante italiano nos Estados Unidos, Charles Ponzi não foi o primeiro a usar esse esquema, mas ele tornou-o conhecido. Ele convencia seus investidores que seu negócio iria comprar cupões para selos na Itália, onde eram mais baratos, para depois vendê-los nos Estados Unidos com um bom lucro. O problema? Ele nunca comprou um único cupão!

O que começou como um pequeno esquema rapidamente cresceu para um negócio milionário, porque dava retornos muito melhores que os bancos. Muitas pessoas investiram tudo que tinham e, depois que recebiam os lucros, voltavam a investir o dinheiro. Mas nada é para sempre e, quando a fraude foi exposta, muita gente perdeu seu dinheiro.

Charles Ponzi foi para a cadeia, perdeu seu dinheiro e caiu na desgraça. Ele nunca mais conseguiu recuperar e acabou por morrer pobre e fugitivo no Brasil.

3. Ferdinand Waldo Demara Jr. (1921-1982)

Ferdinand Waldo Demara Jr.

Este estelionatário não estava muito interessado no dinheiro. Seu interesse era ganhar poder. Com uma inteligência acima do normal, Ferdinand Demara criou várias identidades falsas e trabalhou em muitas profissões diferentes, para as quais não tinha formação.

Ferdinand conseguiu emprego como monge, psicólogo, professor e até cirurgião! Em certa ocasião, ele tinha sido contratado como cirurgião a bordo de um navio do exército e vários tripulantes ficaram feridos. Ferdinand nunca tinha realizado uma cirurgia mas ele leu um manual sobre o assunto e todos os seus pacientes sobreviveram!

Esse acontecimento saiu nos jornais e ele acabou por ser desmascarado. Ferdinand ganhou fama mas isso o impediu de realizar outros enganos. Por fim, ele acabou seus dias trabalhando como ministro religioso em um hospital (onde a maioria das pessoas não sabia que ele tinha fingido ser tanto um médico quanto um frade).

4. Natwarlal (1912-2009)

Natwarlal

Um estelionato popular para enganar turistas burros é “vender” monumentos famosos. O vigarista indiano Natwarlal elevou essa burla a novos níveis, chegando a vender o Taj Mahal, um dos monumentos mais conhecidos do mundo, três vezes!

Natwarlal também chegou a vender o edifício do Parlamento indiano, junto com todos os ministros que estavam lá dentro! Esse foi apenas um de muitos esquemas que ele montou ao longo da vida, além de roubar muitos bens usando cheques falsos e de forjar assinaturas de celebridades.

Por 9 vezes a polícia indiana apanhou Natwarlal e ele foi condenado a mais de 100 anos de prisão. Mas, em todas as vezes, ele conseguiu fugir da prisão, cumprindo apenas 20 anos de cadeia. Sua última fuga foi com a idade de 84 anos, a caminho do hospital! Natwarlal nunca mais foi apanhado e supostamente morreu em 2009. Ainda hoje ele é considerado um herói e uma inspiração para vigaristas em toda a Índia.

5. Frank Abagnale Jr. (1948-)

Frank Abagnale Jr.
Imagem de: Abagnale & Associates

A história de Frank Abagnale é tão impressionante que até deu um filme! Prenda-me se for Capaz conta como ele conseguiu criar muitas identidades falsas e burlar milhões, tudo antes de ter 22 anos.

Ainda adolescente, Frank fugiu de casa e criou várias identidades falsas para burlar bancos. Ele aprendeu a forjar cheques e inventou várias formas criativas de convencer as pessoas a entregarem-lhe somas grandes de dinheiro. Um desses esquemas foi fingir ser um piloto de avião. Com essa identidade falsa ele viajou pelo mundo e cobrou todos os custos às companhias aéreas. Em algumas ocasiões, ele até foi convidado a pilotar!

Além de piloto de avião, Frank Abagnale fingiu ser um médico e supervisionou vários médicos estagiários (que, felizmente, fizeram o trabalho todo). Ele também forjou credenciais da Universidade de Harvard e passou no exame para ser advogado. Mas não podia durar para sempre. Ele acabou sendo preso pela polícia francesa.

Depois de passar tempo preso na França, na Suécia e nos Estados Unidos, o FBI fez um acordo com Frank Abagnale e ele começou a ajudá-los em investigações de estelionato e fraude. Atualmente, ele tem uma empresa legítima que ajuda seus clientes a evitar burlas e dá palestras sobre fraude e segurança. Frank Abagnale mudou de vilão para herói!

6. Henri Lemoine (ativo em 1905-1908)

Henri Lemoine

O que é que carvão e diamantes têm em comum? Ambos são criados a partir do mesmo elemento: carbono. E se fosse possível criar diamantes a partir de carvão? Ao longo da História, essa ideia tem intrigado vendedores de diamantes… e inspirado muitos vigaristas.

O francês Henri Lemoine foi provavelmente o primeiro a vender a ideia que conseguia produzir diamantes sintéticos a partir de carvão. Ele atraiu a atenção de alguns investidores ligados ao mercado dos diamantes e montou uma apresentação impressionante. Diante deles, ele colocou algum carvão dentro de uma fornalha bem quente e, depois de alguns minutos, produziu diamantes da fornalha!

Para convencer os investidores Henri Lemoine se despiu, mostrando que não tinha diamantes escondidos com ele antes da apresentação. Os investidores, claro, pagaram a Henri Lemoine pelo privilégio de serem os únicos a conhecer o segredo e, durante alguns anos, ele fingiu que estava criando uma fábrica de diamantes sintéticos. Mas, quando não receberam nenhum retorno, os investidores suspeitaram falcatrua e levaram Lemoine a tribunal.

Durante toda a investigação, Henri Lemoine insistiu que sua fórmula era verdadeira e que só precisava de uma oportunidade para provar. Mas, quando o libertaram para recolher sua evidência, ele fugiu e nunca mais foi visto! Esse era o segredo: a fornalha tinha um fundo falso, onde ele tinha escondido alguns diamantes para mostrar no fim da apresentação.

7. Carlos Kaiser (1963-)

Carlos Kaiser

O mundo do futebol brasileiro também não fica livre da ação de vigaristas. E a história de Carlos Kaiser impressiona pela audácia. Ele teve uma carreira de 26 anos como jogador profissional de futebol, passando por vários clubes e diversos países. Só havia um pequeno detalhe: ele não jogava futebol!

Carlos Kaiser era um impostor muito inteligente. Ele tinha uma aparência atlética e armava situações como telefonemas falsos e notícias inventadas sobre suas capacidades de futebolista para convencer os clubes a contratá-lo. Depois, na hora de chutar a bola, ele fingia ter uma lesão e ficava sem jogar. Como seus contratos eram de curta duração, as “lesões” duravam tempo suficiente para acabar. Contrato e mudar de clube, onde repetia a brincadeira.

Com essa tática, nos anos 80 Carlos Kaiser passou por equipes brasileiras (como Flamengo, Bangú e Botafogo), mexicanas, portuguesas e até francesas. Tudo isso sem saber jogar direito!

De acordo com uma história sua, certa vez ele foi obrigado a entrar em campo para jogar uma partida de futebol. Para escapar, ele armou uma briga com adeptos na bancada e foi expulso do jogo. Ninguém suspeitou de nada! Assim ele continuou a desfrutar da vida louca de jogador, com todas as suas contrapartidas, sem ter de provar seu valor.

Com o advento do mundo digital, uma fraude tão grande no mundo do futebol se tornou praticamente impossível. Atualmente, Carlos Kaiser está reformado da vida de “futebolista” e trabalha como treinador pessoal.

Leia aqui: os 10 maiores campeões da história do Futebol Brasileiro.

8. Anthony Gignac (1970-)

Anthony Gignac

Quem consegue resistir à realeza? Esse foi o jogo de Anthony Gignac, mais conhecido entre suas vítimas como Khalid bin al-Saud, príncipe da Arábia Saudita. Roubando a identidade de um verdadeiro príncipe saudita, o colombiano que cresceu nos Estados Unidos conseguiu burlar milhões!

O jogo do “príncipe” já dura há vários anos e ele foi preso múltiplas vezes por roubo de identidade e não pagar as contas. Mas, entre estadias na prisão, ele tem vivido uma vida de luxo, viajando pelo mundo, postando fotos no Instagram e enganando até empresários de respeito. Para abrir os bolsos das vítimas, bastava a promessa de acesso à família mais poderosa do mundo: a família real da Arábia Saudita.

Sua última tentativa de estelionato foi a mais ousada. O dito Khalid bin al-Saud mostrou interesse em comprar um hotel por centenas de milhões de dólares. Mas, para cumprir com a tradição saudita, o dono do hotel deveria oferecer-lhe primeiro várias prendas muito caras. Ele conseguiu burlar o negociante até o momento em que cometeu um erro fatal: o suposto príncipe muçulmano comeu carne de porco em sua presença, um pecado muito grave no Islã.

Com isso, seu império de mentiras ruiu e ele foi pres. Diante da evidência de uma vida de estelionatos cada vez mais ousados, ele recebeu dessa vez uma pena de prisão mais forte. Agora, o “príncipe" Anthony Gignac está cumprindo uma pena de prisão de 18 anos. Estima-se que ele roubou 7 ou 8 milhões de dólares às suas vítimas.

9. Elizabeth Holmes (1984-)

Elizabeth Holmes
Imagem de: Max Morse/TechCrunch

O mundo da medicina moderna está cheio de milagres tecnológicos… e grandes vigarices. Dentre essas vigarices destaca-se o escândalo da Theranos, uma empresa que prometia revolucionar o diagnóstico de doenças. Com apenas algumas gotas de sangue, a tecnologia da Theranos supostamente conseguia fazer testes de diagnóstico para dezenas de doenças a preços baratos. Com essa promessa, a fundadora, Elizabeth Holmes, se tornou uma das empresárias mais ricas do mundo!

A ideia era fantástica… mas a tecnologia não funcionava. Mesmo assim, Elizabeth Holmes convenceu muitos investidores que era real e a empresa até passou a fazer testes de diagnóstico para vários hospitais nos Estados Unidos. Com suas mentiras, ela atraiu o investimento de vários americanos poderosos e se tornou uma celebridade de Silicon Valley.

Como a tecnologia da Theranos não funcionava, a empresa usava tecnologia que já existe para realizar os testes, mas seu processo não era seguro e os dados davam mais erros que o normal. Quando jornalistas desvendaram esse escândalo, a empresa faliu e a reputação de Elizabeth Holmes mudou de revolucionária para vigarista.

Elizabeth Holmes garante que não estava fazendo nada de errado, porque estava mesmo tentando criar a tecnologia que prometia. Mas todos os pacientes cujas vidas foram colocadas em risco discordam… Agora só falta ver se sua conversa e sua personalidade carismática vão conseguir livrá-la de uma pena de prisão pesada.

Veja também: os 15 homens (e as 15 mulheres) mais ricos do mundo.

10. Victor Lustig (1890-1947)

Victor Lustig

Victor Lustig era um austro-húngaro muito inteligente, que conseguiu aprender várias línguas. Ele viajou pela Europa e os Estados Unidos, realizando vários golpes e se tornando um vigarista conhecido.

O golpe mais famoso de Victor Lustig foi quando ele vendeu a Torre Eiffel para peças. Ele convenceu um negociante de metal que a torre era muito cara para o Estado manter e que ele era um oficial do governo encarregue de sua demolição. Pelo preço certo, o negociante poderia comprar o direito a todo esse metal. A vítima caiu na armadilha, entregou o dinheiro e… nunca mais viu Victor Lustig.

Mais tarde, nos Estados Unidos, Lustig criou uma máquina que supostamente imprimia dinheiro. O único senão era que levava 6 horas a replicar o dinheiro. E isso era tempo mais que suficiente para o vigarista fugir do comprador da máquina…

Em outro caso, Victor Lustig conseguiu burlar o temido mafioso Al Capone. Ele convenceu o criminoso a investir dinheiro em um negócio que não existia mas, em vez de fugir com o dinheiro e ter a Máfia toda atrás dele, ele guardou o dinheiro em segurança por alguns meses. Depois, ele voltou para Al Capone, devolveu-lhe o dinheiro e disse que o negócio tinha falhado. Ali estava todo o dinheiro do mafioso mas Lustig agora estava falido. Com dó do homem “honesto”, Al Capone deu-lhe uma soma generosa de dinheiro!

11. Bernie Madoff (1938-)

Bernie Madoff

Bernie Madoff tem a honra dúbia de ter realizado a maior fraude fiscal da História. Com seu esquema, ele roubou não apenas milhões mas bilhões de dólares de seus investidores! Como? Fingindo ser um investidor brilhante na bolsa de valores.

A ideia era simples: ele prometia grandes lucros a quem investisse dinheiro em sua empresa. Em nome dos investidores, a empresa de Madoff depois investia o dinheiro na bolsa de valores, em negócios que davam bons lucros. Mas o dinheiro nunca era investido na bolsa. Bernie Madoff simplesmente transferia-o para sua conta pessoal no banco!

Quando um investidor queria receber seus lucros, Madoff tirava o dinheiro de sua conta pessoal, forjava alguns documentos da bolsa de valores e entregava tudo ao cliente satisfeito. Desde que houvesse sempre mais pessoas a investir do que a retirar seu dinheiro, o negócio estava seguro. A empresa cresceu e se tornou uma das maiores instituições financeiras dos Estados Unidos. Mas, com a crise financeira de 2007-2008, tudo desabou e Bernie Madoff foi preso em dezembro de 2008.

O mais incrível dessa história é que Madoff foi investigado várias vezes antes de ser preso e nunca foi apanhado, apesar de os sinais de fraude serem óbvios! Por causa desse caso, foram recomendadas várias melhorias na forma como investigações de fraude são realizadas. Bernie Madoff está agora servindo uma pena de prisão de 150 anos e suas vítimas já recuperaram grande parte do dinheiro que ele roubou.